CERRO LARGO FUTSAL/LOJAS BECKER

CERRO LARGO FUTSAL/LOJAS BECKER
Cerro Largo Futsal/Lojas Becker -Série Bronze 2017

sexta-feira, 6 de maio de 2011

SERÁ QUE VALEU A PENA TROCAR ROTH POR FALCÃO ?

De Minelli a Roth, Falcão defende esquema com só Damião de atacante


Técnico repetiu esquema de seu antecessor na derrota para o Peñarol. Ele vê ‘desonestidade’ em preconceito com sistema só por ter sido de Roth.

Por Alexandre Alliatti -Porto Alegre-globo.com

Falcão não considera que ataque esteja isolado.

Dois volantes, três meias, um atacante. Soa como Celso Roth, mas é Paulo Roberto Falcão. O esquema 4-2-3-1 foi resgatado pelo novo técnico do Inter, no estilo do que fazia seu antecessor, na derrota de 2 a 1 para o Peñarol, que tirou o time colorado da Libertadores da América nesta quarta-feira. Andrezinho, D’Alessandro e Oscar tiveram a função de se aproximar de Leandro Damião, o único atacante.

Ao comentar a situação nesta sexta-feira, Falcão disse que é preciso se livrar do preconceito de que o esquema isola o atacante. E partiu em defesa de Celso Roth, que tem sua imagem atrelada a esse sistema de jogo, especialmente depois da perda do Mundial.

- Eu acho isso uma desonestidade com o Celso. Ele não está aqui para se defender. Não é justo com ele. Isso é o preconceito. Tem um atacante, rotula com quem? Se joga com três volantes, é defensivo... É outro rótulo. Se não joga com volantes clássicos, é muito alegre... Não podemos nos prender a isso. Nada é definitivo. No futebol, muito menos. As coisas se modificam – disse Falcão.

O treinador colorado não acredita que o modelo de jogo isole Leandro Damião. E resgata Rubens Minelli, talvez o principal treinador da história do Inter, seu comandante nos anos 70.

- No último jogo, quem fez o gol foi o Oscar. Não acho que tenhamos só o Damião na frente. Às vezes, colocamos um segundo atacante e ele não faz essa função de atacante. O Rubens Minelli dizia que não importa quantos atacantes tenha, e sim quantos chegam ao ataque. O segredo é ter jogadores com característica de chegada. Não tenho só um atacante. Temos D’Alessandro, Oscar, a chegada do Kleber. Temos que criar mecanismos no time. O importante é criar situações. Não acho que só tenha o Damião na frente.

Porém, o esquema não está garantido para o Gre-Nal de domingo. É possível que o Inter volte para o 4-4-2 no primeiro jogo da final do Campeonato Gaúcho, no Beira-Rio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário