CERRO LARGO FUTSAL/LOJAS BECKER

CERRO LARGO FUTSAL/LOJAS BECKER
Cerro Largo Futsal/Lojas Becker -Série Bronze 2017

domingo, 8 de dezembro de 2013

INTER VOLTA A BRIGAR CONTRA A SEGUNDONA.

Depois de 11 anos, Inter volta a brigar contra o rebaixamento

Colorado precisa de um empate contra a Ponte Preta, às 17h, em Caxias do Sul

Otávio está confirmado no time do Inter<br /><b>Crédito: </b> Alexandre Lops / Inter / CP
Otávio está confirmado no time do Inter
Crédito: Alexandre Lops / Inter / CP 
 
Onze anos se passaram desde aquela fatídica partida em Belém, na tarde de 17 de novembro de 2002, quando o Inter derrotou o Paysandu por 2 a 0 e evitou o rebaixamento para a Série B. De lá pra cá, o Colorado conquistou o mundo, a Libertadores e a Recopa duas vezes e a Sul-Americana. Os anos rondando o inferno da segunda divisão pareciam ter ficado para trás – antes de 2002, o clube vermelho escapou da queda em 1999 e 1990. No entanto, uma campanha decepcionante faz o time de D’Alessandro, Damião e Forlán chegar na última rodada do Brasileirão de 2013 dependente ao menos de um empate contra a rebaixada Ponte Preta para seguir na Série A no próximo ano sem depender de resultados paralelos. A decisão começa às 17h, no estádio Centenário, em Caxias do Sul.

• Acompanhe os lances do jogo no perfil InternacionalCP

O Inter sentiu o clima de tensão. Ao longo dos últimos dias, houve discussões, desentendimentos e ultimatos. Na quinta-feira, por exemplo, Alex e Rafael Moura discutiram durante um treino após um choque normal. “É claro que a pressão é grande em cima de todos nós. Temos de fazer as coisas certas, corrigir nossos erros. Então, há alguma cobrança de um jogador com o outro. Mas tudo dentro da normalidade. Houve o episódio (Alex X Moura), mas ficou no campo. No vestiário, estavam se abraçando”, minimiza Clemer.

O nervosismo é grande, mas a possibilidade de o Inter cair é pequena. Se perder, o time colorado terá de torcer por tropeços de Criciúma, Coritiba, Vasco. “Não temos que nos preocupar com eles (outros times que lutam contra o rebaixamento). Temos que focar na nossa parte e fazer ela bem feita. Se a gente fizer isso, não temos que nos preocupar com mais ninguém. Não vai interessar”, observa Clemer.

O técnico colorado não acredita haver comparação com o jogo de hoje e o do estádio Mangueirão, anos atrás. “Precisávamos ganhar o jogo e três resultados paralelos para não cair. Agora, dependemos só da gente, jogamos em casa e com a nossa torcida. Até com o empate nos mantemos. As vantagens e as desvantagens são muito diferentes. Não dá para comparar a situação com a de 2002, não”, disse Clemer, que defendia o gol colorado naquele dia.

WWW.CORREIODOPOVO.COM.BR

Nenhum comentário:

Postar um comentário