CERRO LARGO FUTSAL/LOJAS BECKER

CERRO LARGO FUTSAL/LOJAS BECKER
Cerro Largo Futsal/Lojas Becker -Série Bronze 2017

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

MAIS UMA DO SÃO PAULO.

Henrique diz que foi ingênuo ao assinar com 17 anos e aponta emancipação 'ilegal'.


por ESPN.com.br

Deixando claro o desejo de receber uma grande valorização da diretoria do São Paulo após a conquista do título mundial sub-20 pela seleção brasileira, o atacante Henrique, do São Paulo, afirmou nesta segunda-feira que foi ingênuo ao assinar o contrato com o clube do Morumbi, que o emancipou quando ele tinha 17 anos.

Em entrevista ao Arena Sportv, o jogador, de 20 anos, não escondeu que tem a intenção de atuar como titular na equipe tricolor e, caso isso não aconteça, pode mesmo deixar o Morumbi.

Henrique volta a cobrar valorização do São Paulo: 'Fui de um jeito e voltei de outro'

Mais: Henrique não se apresenta, mas admite chance de ficar no São Paulo

“Meu contrato com o São Paulo ainda é da base. Fiz quando eu tinha 17 anos, eles me emanciparam e fiz um contrato de cinco anos. Isso é ilegal. Não pode. Só pode quando você é maior de idade. A Fifa não reconhece isso, só três anos de contrato. Meu terceiro ano de contrato acabou no mês passado. Estou sem contrato com o São Paulo”, afirmou.

“Na época, a gente é moleque, só quer saber de futebol. Eles foram em Brasília, me emanciparam, que podia fazer um contrato de cinco anos”, prossegue o jogador. “Tenho muito carinho pelo São Paulo, gosto do clube. Falaram que eu ia jogar, que seria titular do São Paulo, conversaram com meu pai e minha mãe. Na época, eu não tinha empresário e quem auxiliasse. A gente pensa no presente, não tem a experiência que tem hoje. Então você acaba assinando uma coisa que pode te prejudicar lá na frente, como está me prejudicando.”

Questionado sobre seu futuro profissional, o melhor jogador do Mundial sub-20 disse que vai pensar primeiro no que for melhor para ele. “O São Paulo sem Henrique vai continuar andando normal. E eu? Agora tenho que ver a minha parte. Tenho uma carreira curta, apenas 11, 12 anos de carreira, tenho uma família. Isso é que as pessoas não entendem. Elas só pensam no lado do clube. Então acaba ficando essa situação ruim”, afirmou.

“Jogador da minha idade tem que jogar, tem que evoluir. Sou um jogador que ainda estou meio cru. Tenho que pegar confiança e você só pega confiança jogando. Treinar só não adianta. Quero jogar”, concluiu Henrique.

Nenhum comentário:

Postar um comentário